Olá, pessoal! Antes de começar mais uma coluna de “Remembering Skins”,  gostaríamos de dar uma parada rápida para dizer “olá”. Aqui quem fala é a Bia e a Stef e a partir de agora faremos parte da organização pica das galáxias, também conhecida como equipe do #AboutSkins. Você pode encontrar o nosso primeiro texto aqui, onde rabiscamos um pouco sobre “O morro dos ventos uivantes”, filme com a Kaya Scodelario. Estamos muito animadas por fazer parte  dessa equipe e esperamos trazer sempre tudo do bom e do melhor para vocês, que assim como nós, são fanáticos por Skins.

Apresentações terminadas… vamos relembrar um pouco?

Esse é um “Remembering Skins” mais diferente do que o que vocês estão acostumados a ler todas as quintas aqui no site. É um “Remembering Skins” temático. E para começar, não poderia ser diferente: o humor em Skins. Porque não dá para dar risada de mais, não é?

#1 – 1×05

1x05

De todas as gerações de Skins, a primeira é a mais conhecida por balancear humor e drama com perfeição. Enquanto temos a missão suicida de Cassie, Tony sendo atropelado por um ônibus, o aborto de Jal, a morte (nãaaaao!) de Chris, entre muitas e muitas outras tragédias, também temos momentos icônicos e divertidíssimos. Como não lembrar de Chris e Jal na praia (“Fuck it, I’m inadequate. What can you do?” “This”), Maxxie levando os garotos à uma festa gay ou Effy e Panda na balada (““Got any loo paper, Eff?” “No.”)?

É quase impossível escolher um momento mais divertido! Poderíamos ficar aqui por horas descrevendo as cenas que nos fizeram rolar no chão de tanto rir. Mas, já que não temos todo o tempo do mundo, o escolhido foi esse. O épico, o incrível, a melhor frase de efeito desde “Bond. James Bond”…. “Michelle would never, never fuck a horse”.

 O contexto era tenso. Tony acabara de beijar Abigail bem na frente de Michelle. Um Sid confuso, uma Michelle furiosa e, para completar, um tapa na cara de Abigail. É aí que a loira solta o também genial  (juro que um dia ainda xingo alguém disso) “I’ll kill you, you fucking flat-chested cocksucking spastic horse-fucker!”. Não pode ficar melhor do que isso em questão de humor, não é? Bom, isso é Skins. Então pode.

 Depois do barraco que aconteceu no camarim, Sid sai com a cabeça erguida. Mas não sem antes defender a honra de sua amada. “Michelle would never, never fuck a horse”.

 Simples assim. Sete palavras que ficarão nas memórias dos fãs de Skins em todo mundo. A lição que fica pode não ser tão profunda e tocante como as cenas dramáticas, mas não deixa de ter o seu charme. A moral da história? Apenas não se esqueça: A Michelle nunca, NUNCA transaria com um cavalo.

#2 – 4×08

4x08

O conjunto Pandora + sua inocência é, basicamente, um dos fatores principais para dar humor à Gen 2 (se bem que se for avaliar, o enredo John Foster + morte por taco de baisebol é bem comédia também). E nada mais justo do que relembrar um de seus impagáveis momentos de graça.

Tudo começa com Pandora indo visitar Effy no ~manicômio~, quando é interrompida por uma ~passeata~ de pacientes loucos pulando em um pula-pula(?). Sem reação, a coitada é confundida com um dos doentes e é forçada a participar do tal negócio. Então nossa wild!Panda tenta fugir sorrateiramente com o pula-pula (ou whatever aquilo se chama) e sai afirmando ‘I’m not mental!’, o que não é lá muito correto afirmar, já que de doidinha Panda tem um tantão.

 É impossível não rir ao lado de Kate e Effy, enquanto as duas observam Pandora ser perseguida e torcem para que ela consiga chegar até seu destino. ‘Pule até mim!!!!’

A próxima cena da música de Pandora (DON’T BE DOWN MY FRIEND!!) também é sem preço, mas aí eu já estaria fugindo do assunto e me prolongando demais.

 #3 – 5×08

5x08

O último episódio da quinta temporada é quase um consenso geral: incrível. Mesmo aqueles que não gostaram dessa geração não conseguem dizer não para os 45 minutos de total maestria que é o 5×08. Rich a Grace sendo adoráveis (MEUS DEUS, MEU CORAÇÃO ATÉ DÓI PENSANDO NISSO), uma tensão entre Mini e Franky, mas sem deixar de fora Matt/Franky, Liv/Matty, Alo/Mini… Casal para todo mundo. Lágrimas, risadas e uma nostalgia gostosa, tudo embalado pelas paisagens maravilhosas apresentadas no interior da Inglaterra.

E muita, MUITA gargalhada, na maioria das vezes trazida por um HILÁRIO Nick bêbado, cortesia do talento puro que é o Sean Teale.

Então é daí que começamos, com uma cena marcante estrelada por ninguém mais, ninguém menos do que Nick e Alo. Uma dupla inesperada, mas uma das melhores surpresas do episódio.

Se você já não havia se matado de rir com “Beer Rain!! There is a god!!”, então essa era a sua chance. A cena em que Nick é preso em um arame e machuca a sua perna é uma das mais divertidas sequências já feitas por Skins.

Nick: I’ll die here alone, it’s what I deserve. Save yourself and leave me to the bears.

Alo: We’re in Somerset, Nick.

Nick: To the fucking squirrels then.

Precisa de mais algum comentário? Mais alguma explicação? A cena fala por si. O humor sublime, a química entre Alo e Nick (que podia e devia ter sido melhor explorada na sexta temporada) e a atuação dos dois atores marcam o episódio, fechando essa seção de “relembrar é viver” , com chave de ouro.