#1 – 2×05

Chris e Jal formam um casal tão especial porque, ao contrário de todos os outros em Skins, a maioria de nós sequer remotamente imaginava que eles fossem terminar juntos. Durante a s1 toda, Jal não teve um interesse amoroso e Chris apenas perseguiu Angie, sem olhos para mais ninguém.

Mas, no 205 (Chris), fomos surpreendidos quando a pequena amizade que existia entre os dois tornou-se algo mais. E o que eu adoro nessa cena é que ela, além de praticamente marcar o começo da história de Chris e Jal como um casal, representa tudo o que o Chral é: a diversão e leveza (“Jal, will you buy me a falafel?”), o forte contraste entre as duas personalidades, e o quanto estas se balanceiam.

Chris é despreocupado, solto, livre. Mas até que ponto isso é bom? Uma hora ele precisa crescer, ser responsável e fazer algo com a vida dele, do contrário ele terá uma existência medíocre – e é isso que Jal o motiva a fazer. Em troca, Chris a ajuda a ser menos séria, menos adulta, mais relaxada. Ele lembra de que, apesar de tudo, ela é jovem, e traz à vida de Jal a alegria simples, sem preocupações, que sempre faltou na vida dela.

#2 – 4×03

Durante quase toda a S3, vimos Cook apenas como o garoto impulsivo, inconsequente e que não se importa com nada nem ninguém. No 307 (JJ), 308 (Effy) e 310 (Finale) nos foram mostrados indícios de que há mais profundidade nele do que parece à primeira vista, mas isso tudo só foi explorado de verdade no 403 (Cook). De certo modo, toda a jornada dele até então culminou neste exato momento, quando ele finalmente “explode” durante uma conversa com seu advogado.

Cook sofreu durante toda a sua vida. Ele nunca realmente teve alguém, começando por seus próprios pais, e no fundo sempre foi essa criança solitária, sensível e vulnerável que é vista nessa cena. Não é de se admirar que ele tenha se rebelado contra o mundo, afinal, até onde ele sabe, o mundo não se importa com ele.

Não é que Cook não se importe com ninguém; ele se importa, mais que muitas pessoas, na verdade. Mas depois de ter sido pisado e tratado como um nada durante toda a sua vida, ele chegou à conclusão de que é mais fácil sair gritando “I don’t give a fuck!” do que arriscar ter seu coração partido mais vezes.

Esse é um Cook maduro, diferente do que vimos por mais de 10 episódios: por fim ele reconheceu que consequências existem e que elas precisam ser enfrentadas, assumiu responsabilidade por seus atos pela primeira vez na vida, e demonstrou o quanto ama seus amigos e é capaz de fazer tudo por eles (quantas outras pessoas fariam o que ele fez por Naomi?!). James Cook é conhecido por sua coragem, e é exatamente isso que ele mostra aqui.

#3 – 6×08

Todos no grupo reagiram à morte de Grace de maneiras bem diferentes, mas eu acredito que as reações de Liv e Rich sejam as duas extremas. Nessa cena esses opostos finalmente colidem, e esse contraste é o que torna essa cena uma das mais memoráveis da s6 para mim.

Primeiro nós temos Liv, que não está acostumada a parar e pensar sobre consequências antes de agir. Ao sofrer uma perda como a de Grace, o natural é que sua tristeza se manifeste de acordo com sua personalidade “intensa”. Assim Liv se desespera e perde o controle de todos os jeitos que ela pode imaginar, o que inclui sua desesperada busca por conforto em Alex, e beber em excesso.

Nessa cena ela provoca Rich, tentando arrancar dele alguma reação. Porque ele está tão calmo. Isso incomoda Liv tanto porque ela está sofrendo, e o que ela mais quer é alguém que sofra junto, só para que ela não se sinta tão sozinha. É injusto que apenas ela sinta tanta dor, enquanto ele consegue lidar tão bem com o que aconteceu.

Mas isso não funciona porque Rich é emocionalmente maduro, em grande parte por influência da própria Grace. Ele foi tão afetado pela morte dela quanto Mini e Liv, mas reconhecia que não podia fazer nada para mudar a situação. Então quando Rich passou a focar em seus estudos e se manteve de fora de todo o drama, isso não significa que ele se conformou e desistiu de Grace; significa que, mesmo estando totalmente destruído por dentro, ele foi o único do grupo forte o suficiente para colocar sua vida no lugar e seguir em frente, tanto por ele próprio quanto por Grace.